Premiação AsBEA

19.12.2012

A Def recebeu duas menções honrosas no Prêmio AsBEA 2012 com os projetos Gruas de Palermo (categoria Edifícios Institucionais) e Parque Burle Marx (categoria Projetos Especiais).

Ambos foram publicados no portal Pini Web e no Archdaily Brasil.

 

GRUAS DE PALERMO

 

As Gruas de Palermo, elementos marcantes na paisagem da cidade há 30 anos, têm a possibilidade de tornarem-se o marco inicial da revitalização do porto com a implantação de um centro cultural e de lazer com o aproveitamento de suas estruturas, além da construção de todo o piso do espaço térreo -a praça.


A proposta arquitetônica tem como partido a relação da imagem da intervenção com a rica história local da Sicília em particular com o seu Barroco de elementos cenográficos e ornamentados.


A nova proposta tem como referência as características pouco moderadas do Barroco, a surpresa que a expressão de sua imagem provoca ao ser percebida. A exuberância formal e os contrastes trazem para este novo projeto a relação direta com o Barroco no século XVII com uma linguagem .


As estruturas das Gruas e a nova praça vão possibilitar uma maior flexibilidade de usos e diversos tipos de eventos e exposições, com configurações espaciais que variam em função do deslocamento das Gruas. Estes volumes, abrigam: um centro cultural espaços para exposições permanentes e temporárias, biblioteca, espaço multiuso, café, loja, restaurante e terraços estruturados sobre os elementos horizontais das gruas.

 

1/2

PARQUE BURLE MARX

 

Corredor Faunístico, que estenderá um dos mais importantes biomas de Belo Horizonte. Composto por volumes integrados a morfologia do terreno, de forma harmônica oferece um mix de escritórios, lajes corporativas, residenciais, comércio local, Parque Urbano e Estação Ecológica para áreas de preservação.

 

Um aspecto importante dos princípios da ecologia urbana diz respeito a mobilidade e conservação de energia. O “mixed/mixed use” reduz a necessidade de deslocamentos, cumprindo a função de gerador e gestor do seu próprio comportamento social e econômico. O comportamento de uma pequena centralidade, geradora de novos empregos, oferta de moradia, lazer, turismo e varejo, distribuídos nas edificações que substituirão o que já foi uma antiga mina. O usuário/morador poderá trabalhar, estudar, comprar, ir ao cinema, fazer turismo, ir ao médico, ir a academia, passear por um fantástico Parque, a pé ou de bicicleta. Assim, o impacto, tão preocupante, em grandes empreendimentos é minimizado.

 

Outro aspecto a se destacar é a recuperação do convívio social. A idéia é integrar a comunidade local, incentivar a troca, ao mesmo tempo atender as necessidades do morador e usuários de serviços da cidade.

 

1/4

 

 

 

Please reload